terça-feira , agosto 22 2017
A L Ô . D I Z :
Você está aqui: Capa / Colunas / DEBATE – MEC X PNUD

DEBATE – MEC X PNUD

Autora: Jucélia  Rozeira Rocha

MEC contesta dados da PNUD sobre educação. Segundo governo, números utilizados em cálculo estão desatualizados. (http://veja.abril.com.br). Está lançada a polêmica, porém, sabemos que o PNUD está a serviço da elite e para ele não conta nenhum esforço por parte do país seja ele qual for, já o MEC sabe muito bem onde o sapato aperta e como desapertá-lo, basta para isso, o colocar em prática o Plano Nacional de Educação. Sem o qual não haverá avanços significativos na educação, uma vez que só com a flexibilização de conteúdo, entrega de Tablet aos professores, educação integral, promoção do aluno de uma série para outra não vai melhorar mesmo a educação. O que realmente acontece é que a educação está nas mãos de quem não quer um país letrado. Então, nós professores passamos a serem os vilões dessa desordem promovida por “cientistas educacionais”, secretário que nunca entram em sala de aula, governos, prefeitos que não sabem nada da realidade educacional. Porque não chamar os verdadeiros responsáveis pela a educação que acontece de fato para ouvir o que eles têm a dizer sobre o que e como fazer educação de verdade. Segundo “Dalila Andrade Oliveira, a escola, em geral, é orientada a responsabilizar o professor para que ele busque o seu desenvolvimento profissional por ele mesmo. Então ele que tem que buscar sua formação inicial, apesar de todas as dificuldades, buscar fazer um curso ali, às vezes por sua própria conta. Se formos pensar no aspecto mais amplo da gestão da escola, o que essa política hoje de responsabilização dos professores tem feito é promover uma verdadeira corrosão na carreira. Mas o que acontece é que nós sabemos que o desempenho dos nossos alunos não depende somente do trabalho do professor. Depende da origem social dele, do acesso que ele tem a bens culturais, do apoio que ele tem em casa, de quanto aquele currículo é adequado ou não ao seu aprendizado.” Enquanto os cientistas educacionais ficarem em seus belos gabinetes sonhando com uma educação “Chinesa”, com certeza o PUND nunca vai subir a posição do Brasil em relação à qualidade educacional.

Com a palavra nós os professores.

Alô Estudantil Edição Impressa 59 – pagina 02

Sobre Redação

Os comentários estão fechados.

Scroll To Top